Android, Apple, Chromebook, EBREM, Evento, Google, iOS, iPad, iPhone, Mac OS X, Matemática, Microsoft, Windows 8.1, Windows Phone 8.1

Minha participação no VI EBREM – Evento de Educação Matemática

IV EBREM - Banner

Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM)

A SBEM tem como finalidade ampla buscar meios para desenvolver a formação matemática de todo cidadão de nosso país. Para isso, ela congrega profissionais e alunos envolvidos com a área de Educação Matemática e com áreas afins e procura promover o desenvolvimento desse ramo do conhecimento científico, por meio do estímulo às atividades de pesquisa e de estudos acadêmicos. É também objetivo da SBEM a difusão ampla de informações e de conhecimentos nas inúmeras vertentes da Educação Matemática.

A Regional do Distrito Federal tem como diretor o Matemático Mauro Luiz Rabelo, que atualmente também é decano do Ensino de Graduação da Universidade de Brasília (UnB).

VI Encontro Brasiliense de Educação Matemática (EBREM)

Nos dias 19, 20 e 21 de setembro de 2014, acontecerá o VI Encontro Brasiliense de Educação Matemática. Neste ano, o evento terá o tema “Ser Educador Matemático” e está sendo organizado pela Sociedade Brasileira de Educação Matemática – Regional Distrito Federal (SBEM-DF) em parceria com o Departamento de Matemática da Universidade de Brasília (UnB).

Local do evento

Universidade de Brasília
Departamento de Matemática
Campus Universitário Darcy Ribeiro / ICC Centro, Bloco A
Asa Norte
Brasília-DF.

Programação e inscrição no evento

Confira a programação completa dos três dias de evento: Programação – VI EBREM.

A inscrição no evento pode ser realizada em um dos links abaixo:

Mesa Redonda: Ser Educador Matemático diante do mundo dos tablets e smartphones

Eu estarei participando desta mesa redonda, que será realizada no dia 20 de setembro de 2014 (sábado), das 17h30 às 19h.

Na mesa redonda, eu pretendo abordar os seguintes tópicos:

  • Desafios da educação com tecnologia
  • Gerações Baby Boomers, X, Y e Z
  • Desktops, notebooks, TVs, projetores e lousas digitais
  • Ensino à distância (EAD)
  • Smartphones e tablets
  • Livros digitais e apps educacionais
  • Smart TVs e vídeo games
  • Gameficação” da educação
  • Redes sociais e mensagens instantâneas
  • Produtividade e colaboração
  • Calculadoras e Pocket PCs
  • Planilhas eletrônicas
  • Cursos de matemática à distância
  • Softwares de matemática simbólica
  • Cabri e GeoGebra
  • Desenvolvimento de software
  • A Matemática em softwares de ilustração, edição de som, vídeo e animação
  • Sensores de movimento
  • Robótica e Internet das Coisas

 

Android, Apple, CSS3, Evento, Google, HTML5, iOS, iPad, iPhone, iPod touch, JavaScript, Linguagem Java, Microsoft, W3C, Windows 8, Windows Phone 8

Seminfo 2012 (Urutaí-GO): Desenvolvimento para dispositivos móveis

O evento

Imagem

O evento SEMINFO (Semana de Informática) 2012, no Campos de Urutaí do Instituto Federal Goiano, aconteceu na semana de 26 a 30 de novembro de 2012. A programação foi bem variada, abordando muitos temas de informática, como:

  • Plataforma Java
  • Microsoft Windows 8
  • Apple iOS
  • Google Android
  • Linux (Ubuntu)
  • Campeonatos de jogos (Counter Strike, Need for Speed e Guitar Hero)
  • Apresentação do Jogo da Cerveja
  • Maratonas de programação
  • Mini-cursos
  • Palestras
  • Dentre outros

O campus fica numa fazenda, fornecendo um ambiente agradável e descontraído para os estudos. Parece que você está num hotel fazenda. Há alojamento para estudantes de fora e toda uma estrutura que se espera de uma instituição de ensino.

A notícia do evento foi publicada no site do Instituto Federal Goiano: “SEMINFO 2012 tem início nessa segunda-feira, 26“. Eu fui um dos palestrantes do evento e a relação completa pode ser visualizada no site do evento: “SEMINFO 2012 – Palestrantes“.

Minha palestra no evento

No dia 28 de novembro de 2012, eu apresentei a palestra “Desenvolvimento para dispositivos móveis – iOS, Android, Windows Phone, Windows 8 e Firefox OS“. A palestra foi escolhida democraticamente, dentre várias opções disponíveis, numa votação entre os alunos da instituição. O objetivo principal da minha apresentação foi dar uma visão geral das principais plataformas de desenvolvimento para dispositivos móveis disponíveis no mercado atualmente, além de uma com potencial: Firefox OS.

Foram apresentados os seguintes tópicos:

  •  iOS 6
    • iOS 6 – Sistema operacional móvel
    • iOS 6 – Arquitetura
    • iOS 6 – Linguagens de programação
    • iOS 6 – Frameworks
    • iOS 6 – Ferramentas de desenvolvimento
    • iOS 6 – Documentação
    • iOS 6 – Loja virtual
    • iOS 6 – Publicação na loja virtual
    • iOS 6 – Licença de desenvolvedor
  • Android 4.2 (Jelly Bean)
    •  Android 4.2 – Sistema operacional móvel
    • Android 4.2 – Arquitetura
    • Android 4.2 – Ferramentas de desenvolvimento
    • Android 4.2 – Documentação
    • Android 4.2 – Loja virtual
    • Android 4.2 – Publicação na loja virtual
    • Android 4.2 – Registro de desenvolvedor
  • Windows Phone 8
    • Windows Phone 8 – Sistema operacional móvel
    • Windows Phone 8 – Linguagens de programação
    • Windows Phone 8 – Ferramentas de desenvolvimento
    • Windows Phone 8 – Documentação
    • Windows Phone 8 – Loja virtual
    • Windows Phone 8 – Publicação na loja virtual
    • Windows Phone 8 – Registro de uma conta Dev Center
  • Windows 8
    • Windows 8 – Sistema operacional desktop e móvel
    • Windows 8 – Windows imaginado de novo
    • Windows 8 – Linguagens de programação
    • Windows 8 – APIs de Windows Store apps
    • Windows 8 – Ferramentas de desenvolvimento
    • Windows 8 – Documentação
    • Windows 8 – Loja virtual
    • Windows 8 – Publicação na loja virtual
    • Windows 8 – Licença de desenvolvedor
  • Firefox OS
    • Firefox OS – Sistema operacional móvel
    • Firefox OS – Linguagens de programação
    • Firefox OS – Ferramentas de desenvolvimento
    • Firefox OS – Documentação
    • Firefox OS – Loja virtual
    • Firefox OS – Publicação na loja virtual
  • Suporte ao desenvolvimento
    • Recursos oficiais na Web
  • Dúvidas

A minha apresentação teve duração de, aproximadamente, 1 h 30 min. Sendo que, ao final, houve um espaço de tempo reservado para perguntas e respostas. Abaixo, seguem os slides da apresentação.

Adobe, Android, Apple, Chrome, Flash, Google, HTML5, HTML5 Video, Internet Explorer, iOS, iPad, iPhone, iPod touch, Microsoft, Silverlight, W3C, Windows Phone 7

Onde está o compromisso da Apple com padrões abertos na Web?

As grandes empresas de TI e o progresso da tecnologia

É curioso observar que ao mesmo tempo que grandes empresas de Tecnologia da Informação realizam inovações significativas, elas também atrapalham o progresso para defender seus interesses próprios. Durante muitos anos, a Microsoft foi considerada a grande vilã das empresas de TI devido às suas práticas monopolistas graças ao esmagador domínio do Windows no mundo dos computadores pessoais. Este domínio foi usado para exterminar produtos de concorrentes, como no caso do navegador Netscape depois que a Microsoft embutiu o Internet Explorer no Windows 95. A AOL comprou a Netscape Communications Corporation em 1999. Em março de 2008, a AOL finalizou o suporte ao Netscape cujo término do desenvolvimento já havia sido anunciado antecipadamente. De alguma forma ele ainda vive no atual navegador Firefox, antes denominado Mozilla, que teve seu código-fonte inicial baseado no código-fonte do Netscape.

A Apple ultrapassa o valor de mercado da Microsoft

Por mais incrível que possa parecer, a Microsoft não é mais aquela empresa toda poderosa do mundo de TI. Impressionante verificar que a Microsoft, que tinha um valor de mercado de quase 400 bilhões de dólares no início de 2001, está com um valor de mercado pouco maior que 200 bilhões de dólares em 2011. Enquanto a Apple, que tinha um valor de mercado de mercado de pouco mais de 8 bilhões de dólares no início de 2001 está com valor pouco maior que 300 bilhões de dólares em 2011. Ou seja, em dez anos, a Microsoft teve o seu valor de mercado diminuído em quase metade e a Apple teve o seu valor de mercado aumentado em quase 40 vezes. Atualmente, o valor de mercado da Apple ($310.40B) é quase 50% maior (aproximadamente, 46%) que o da Microsoft ($212.47B). Segue um gráfico com a evolução dos valores de mercado da Apple e da Microsoft de 2001 até 2011 em: http://ycharts.com/search?q=AAPL%20vs%20MSFT&c=market_cap.

Participação da Apple no mercado de smartphones e tablets

Atualmente, a enorme participação da Apple no mercado de smartphones e tablets já está trazendo as suas consequências.

A Apple baniu o Adobe Flash dos dispositivos iPhone, iPod touch e iPad, ou seja, do sistema operacional iOS. Numa carta aberta intitulada "Thoughts on Flash", Steve Jobs tenta esclarecer os motivos por trás desta decisão. Veja o texto da carta na íntegra em: http://www.apple.com/hotnews/thoughts-on-flash/. Ele cita que a evolução da tecnologia Flash é controlada pela Adobe no seguinte trecho da carta: "Adobe has sole authority as to their future enhancement". Afirma que, apesar do fato sistema operacional iOS ser proprietário, ele e a Apple acreditam que todos padrões pertencentes a Web devem ser padrões abertos no seguinte trecho: "we strongly believe that all standards pertaining to the web should be open". Ele também afirma que a Apple adotou HTML5, CSS e JavaScript, que são todos padrões abertos, no seguinte trecho: "Apple has adopted HTML5, CSS and JavaScript – all open standards". Ele ainda afirma que o HTML5 é completamente aberto e controlado por um comitê de padronização, do qual a Apple é membro. Certamente, a carta aberta é uma tentativa de justificar o banimento do Flash do iOS depois da enorme repercussão negativa do anúncio. Afinal de contas, milhares de sites no mundo usam Flash para tocar vídeos e executar animações e a Apple impôs a restrição em detrimento da liberdade de escolha dos usuários dos seus dispositivos. Ao contrário da Apple, o Google suporta o Adobe Flash no Android 2.2 (Froyo) e 2.3 (Gingerbread) para smartphones e no Android 3.0 (Honeycomb) para tablets. Nem por isto, o Google tem menos compromisso com HTML 5 que a Apple. Inclusive, Ian Hickson, editor da especificação HTML5, é funcionário do Google desde 2005. Veja mais informações sobre a especificação HTML5 em: http://www.w3.org/TR/html5/.

Suporte dos navegadores ao novo elemento <video> do HTML5

O HTML5 inclui o novo elemento <video> para incorporar um vídeo numa página Web. O suporte a este elemento é somente parte da necessidade para se tocar vídeos nativamente em páginas Web apresentadas em navegadores, portanto sem a necessidade de instalação de um plug-in com o Adobe Flash ou o Microsoft Silverlight. Além disto, os navegadores devem suportar formatos de vídeos em comum. Uma vez que HTML5 é um padrão aberto, é sensato concluir que os formatos de vídeo a serem suportados pelos navegadores também devem seguir um padrão aberto. O projeto WebM (http://www.webmproject.org/) foi criado como objetivo de desenvolver um formato de vídeo de alta qualidade e aberto para a Web que é disponibilizado gratuitamente para todos. O formato é suportado nativamente pelas últimas versões dos navegadores Mozilla Firefox, Opera, Google Chrome, Google Android Browser e via plug-in pelo Adobe Flash, mas não é suportado nativamente pelas últimas versões dos navegadores da Apple e nem da Microsoft: Apple Safari 5.0.4, Apple Mobile Safari para iOS 4.3.1, Microsoft Internet Explorer 9.0 e Microsoft Internet Explorer Mobile for Windows Phone 7. No caso do Internet Explorer 9.0, existe uma versão prévia do WebM Media Foundation Components for Microsoft Internet Explorer 9 (Preview release) (http://www.webmproject.org/ie/), que foi uma iniciativa do projeto WebM, uma vez que a Microsoft não disponibilizou o Internet Explorer 9 com codecs WebM nativos.

Anúncio do fim do suporte ao formato H.264 no Google Chrome

No início de 2011, o Google anunciou que o Chrome não suportará mais o formato H.264 por causa dos requisitos de licenciamento, seguindo o exemplo dos navegadores Firefox e Opera. Estes três navegadores suportam os formatos abertos WebM e Ogg. Veja mais informações em: http://blog.chromium.org/2011/01/more-about-chrome-html-video-codec.html.

Enquanto isto, a Apple não suporta formato de vídeo aberto algum nativamente nos seus navegadores Safari (Mac OS X e Windows) e Mobile Safari (iOS) e nem a Microsoft no Internet Explorer (Windows) e Internet Explorer Mobile (Windows Phone 7).

Demagogia do Steve Jobs e da Apple?

E o discurso do Steve Jobs (e da Apple) na sua carta aberta sobre o Flash, de que "eles acreditam fortemente que todos os padrões pertencentes à Web devem ser abertos"? Onde está o compromisso do Steve Jobs (e da Apple) com o uso de padrões abertos na Web?

Rogério Moraes de Carvalho
Twitter: @rogeriomc